Uma Varanda Em Paris !!!


Os interiores desta casa parisiense parecem nos transferir para um universo paralelo, onde objetos antigos coexistem com elementos modernos na decoração. Na casa com jardim e alpendre de vidro, além de decoração vintage, há muito mobiliário envelhecido de diferentes tipos. Por exemplo, a biblioteca e sala de jantar é completamente coberta de prateleiras com livros antigos, e na cozinha há um forno do século passado. O lugar mais fascinante da casa é o alpendre envidraçado, aqui em qualquer tempo você pode trabalhar, relaxar com uma xícara de café ou receber convidados. Uma vista do jardim nos lembrava das ilustrações de “Alice no País das Maravilhas”.  Uma casa única!!!

Som de Craig David -Walking Away

Uma Viagem no Tempo – Borgonha !!


Para quem adora o interior da França onde se pode relembrar e estudar, a história da velha Europa. Esta mansão histórica na encantadora região da Borgonha manteve a decoração e a vida que era comum nesta parte da França há muitos séculos. A casa é tão antiga que, em alguns lugares, as vigas do teto são levemente torcidas. Mas o tesouro mais importante deste lugar são inúmeras antiguidades, nas quais a pátina do tempo é visível a olho nu. Aqui o tempo realmente parou. Uma viagem no tempo!!!!

Som de Ellie Goulding – Your Song

Paris Rive Gauche !!


Existem alguns interiores em que o meu pensamento imediatamente sugere: “Uma pessoa criativa mora aqui”. É a partir dessa premissa  que escolhi o post de hoje, um loft único em três níveis no 13º distrito de Paris, com o seu próprio jardim e um grande estúdio criativo com teto de vidro. O proprietário é um arquiteto, e para ele não é apenas uma casa, mas também um espaço de trabalho inspirador, incomum, charmoso e lindo!!!

Localizada em um bairro em constantes mudanças urbanas, chamado de “Paris rive gauche”, esta casa, totalmente redesenhada por um arquiteto, tem uma área de 245 m2 e um jardim de 97 m2.

A entrada abre para um vasto volume onde as linhas limpas e contemporâneas se encaixam perfeitamente com o antigo. A sala de estar, sala de jantar e cozinha totalmente equipada são um exemplo. As áreas organizadas em torno de um fogão a lenha e com vários acessos, permite a passagem direta ao jardim e sua antiga garagem convertida em oficina.

No primeiro andar, dois quartos espaçosos com armazenamento compartilham um banheiro, há um outro banheiro separado e um vestiário.

No segundo andar está o coração deste loft: um estúdio de artista de verdade e seu telhado de vidro monumental trazendo um brilho e luz natural a qualquer hora do dia, desfrutando de um teto com altura de 5,30 metros e uma varanda com vistas para o jardim.

É por uma escada de metal em espiral que se chega á suite do casal, com vista para todo o espaço social, bem como ao terraço no telhado com área de  21 m2.

Para melhorar esta propriedade, um porão atualmente convertido em lavanderia e grande depósito, oferece um ótimo espaço.

A calma absoluta, a luminosidade, os belos volumes e a renovação contemporânea de sucesso fazem desta propriedade um local de vida raro e excepcional.

Som de John Mayer – Belief

O Charmoso La Belle Vue !!


Após muitos anos de procura (sim, nós visitamos mais de 60 casas) nós literalmente tropeçamos nesta pequena jóia. A casa foi construída em 1857 e tem todos os detalhes bonitos dessa época, as janelas velhas, estuque, portas altas, lareiras, azulejos feitos à mão em padrões surpreendentes e acima de tudo a vista. Uma vista deslumbrante das vinhas e do campo, em dias claros podemos ver todo o caminho até os Pirinéus. A casa foi construída por Baulac, que era um dos fazendeiros mais prósperos da região, e no porão ainda há um sistema de vinho intacto, com cinco grandes tanques de vinho. Com cuidado, renovamos o lugar e criamos uma casa de hóspedes onde você pode descansar tanto fisicamente como mentalmente. Uma casa onde tanto a sua alma como o seu corpo ficam calmos. Nós a preenchemos com coisas lindas que cuidadosamente selecionamos e restauramos. Coisas que procuramos nos mercados, e lojas de antiguidades locais.

Aproveite a vida, descanse o seu corpo e alma, saia com amigos, ganhe perspectivas. Bem-vindo B & B La Belle Vue, na pequena aldeia de Neffiés no sudoeste da França. Encontra-se no coração da zona vinícola de Languedoc e a apenas meia hora de carro do Mar Mediterrâneo. “É a nossa casa e esperamos que seja também a sua casa durante algum tempo. Com cinco quartos decorados individualmente, serviços personalizados e nossa experiência, oferecemos acomodação para aqueles que gostam de viajar de uma maneira diferente”.

Os quartos são espaçosos e têm varandas francesas com vistas deslumbrantes e um banheiro privado com duche e banheira. Aqui se dorme bem em camas de alta qualidade, com lençóis de linho antigos bordados à mão e travesseiros generosos. Os quartos são mobiliados com móveis franceses antigos. Algumas coisas são design de artesãos locais produzidos exclusivamente para esta casa. Em cada quarto há roupão de banho, chinelos, secador de cabelo, toalhas para o chuveiro e piscina, bem como um saco de toalhas de praia e guarda-sol. Cada um dos seis quartos tem seu próprio nome.

Som de Gilbert Bécaud – Je Reviens Te Chercher

Florença:

JULIETTE:

COLETTE:

CLOTHILDE:

BLANCHE:

YVONNE:

Roses de Jeanne !!!


O charme de uma casa de pedra tradicional, rodeada por um jardim de 1500m 2 e um pátio com acesso através de portões de ferro, fazem deste lugar um espaço idílico. O que no século 18 foi o lar de uma família burguesa parisiense, hoje é o lar de uma jovem família que renovou completamente o interior e aproveitou os edifícios anexos, transformando-os em caves de 200 m², onde produzem seu champagne, Roses de Jeanne.

O próprio nome do champagne tem sua história, como explica Cédric: “Meu primeiro hectare de vinho foi cercado por rosas. Em certo sentido, as rosas protegem o vinho. E Jeanne refere-se a minha avó, Janika, que amava rosas “. O design do rótulo também envolveu sua parceira, Émilie, que é a principal responsável pela reforma do interior da casa.

A casa principal, de 250 m², abriga no piso térreo a cozinha, duas salas de estar, dois escritórios e um corredor com a escadaria original que leva ao segundo andar, onde há quatro quartos e dois banheiros. Os detalhes arquitetônicos originais, com mais de trezentos anos, como os tetos altos, os pisos de madeira, os azulejos e as lareiras de mármore foram mantidos por toda a casa . Detalhes que contrastam com os móveis e elementos decorativos, totalmente contemporâneos, criando um delicado diálogo atemporal.

Os objetos de design contemporâneo combinados com mobiliário clássico escandinavo e peças vintage, e com mesas, cadeiras, armários e prateleiras feitas por um parente do casal, conseguiram alcançar um ambiente personalizado em cada quarto. Em todos eles, a cor foi especialmente escolhida, de modo que em cada espaço uma atmosfera distinta é respirada. Branco nas salas de estar, cinza escuro na biblioteca, rosa pálido no quarto das meninas, cinza claro no corredor e bege na cozinha e nos banheiros.

A cozinha é um dos espaços mais bem conservados. O dono da casa, Cédric, explica que a intenção era conseguir um espaço funcional, mas também delicado, já que muitas vezes convidam os clientes a degustar o champanhe. Nela, uma ilha negra, ocupa o centro do palco, combinando com os painéis nas paredes e os armários embutidos.

Entre os elementos originais do edifício que foram preservados na reforma interior está a majestosa lareira de mármore, que dialoga perfeitamente com o mobiliário contemporâneo. Os pisos de madeira originais , como o da sala de estar, e os azulejos, no hall de entrada, também foram respeitados e conservados .

As escadarias originais (maravilhosas) foram preservadas como eram quando a casa pertencia a uma família burguesa parisiense, no século XVIII.

Som de Adam Smith – Pray

Dúvidas, perguntas ou questionamentos sobre decoração? Precisa de um trabalho de consultoria para sua casa? Favor entrar em contato pelo blog, ou E-mail nunoalmeida61@gmail.com

A Camiseta Breton !!!


 

Atualmente o padrão listrado é muito comum na moda masculina, mas seu sucesso com os homens não é novidade, sua história começa no início do século XIX, na marinha francesa e passa por altos e baixos até chegar aos tempos modernos.

A primeira leva dessas malhas foi criada na Bretanha com uma trama bem unida de lã para proteger os marinheiros do vento frio, da chuva e dos respingos do mar. A peça deu resultado e passou a figurar na indumentária naval como uma segunda pele sob o uniforme, em 1858 um decreto da Marinha Francesa tornaria camisas e camisetas desse tipo parte do uniforme de maneira oficial.

É interessante notar que a Breton, assim chamada por causa de seu local de origem, tinha um número específico de listras quando produzida pela tradicional grife Saint James: eram 21 listras brancas de 20 mm de largura e vinte e uma faixas azuis de 10 mm de largura no dorso, 15 listras brancas e 14 ou 15 listras azuis na manga (a lenda afirma que o número de listras deveria representar cada uma das vitórias de Napoleão sobre os britânicos). Outra característica marcante desse tipo de roupa é a gola canoa, ligeiramente mais aberta que a gola careca das camisetas comuns e que facilitava ao marujo vestir ou desvestir a malha com rapidez. Hoje em dia a peça pode ser encontrada com diversas adaptações como mangas curtas e gola careca, mas ainda é chamada de Breton de uma maneira mais genérica.

Os jovens marinheiros que lutaram na primeira guerra mundial trouxeram para o cotidiano o costume de usar a blusa Breton. Quando chegaram os loucos anos 20, que mais tarde culminaram na grande depressão, também trouxeram o jazz e um movimento literário riquíssimo do qual fizeram parte Hernest Hemingway e F. Scott Fitzgerald, nesta época a Breton já havia se tornado comum.

O pontapé final para jogar a peça na moda da época foi dado quando Coco Chanel surgiu vestindo uma blusa Breton em uma foto que correu o mundo e ainda hoje é muito conhecida.

No início década de 60 os rebeldes da geração beatnik adotaram o item quase como um uniforme e não demorou muito para que atores como James Dean e Robert Redford fossem vistos e fotografados usando uma malha destas. Mais tarde, nos anos 70, os punks do Ramones mostraram que as listras horizontais ainda não tinham perdido seu fôlego. Os anos 80 e 90 foram marcados por camisetas com desenhos grandes e chamativos, padrões como as listras náuticas foram empurrados para nichos, como a roupa usada por pessoas abastadas para velejar, tornando o visual antes rebelde e estiloso em algo pejorativo.

Por sorte os anos 2.000 resolveram resgatar muito do que foi sucesso nos anos 50 e 60, xadrez e listrados estavam de novo no guarda-roupa do homem agora mais aberto a combinações ousadas e experimentações, ao mesmo tempo que uma admiração pelo visual retrô fez com que o público masculino olhasse para as peças clássicas com carinho e reverência.

Nos últimos anos assistimos uma verdadeira febre das roupas listradas e é interessante notar que tudo isso surgiu com uma malha de lã para proteger marinheiros franceses há mais de dois séculos!!!!

Som de Aretha Franklin – I Say A Little Prayer

Precisa de ajuda? Quer organizar o seu guarda roupa? Duvidas para combinar peças que já tem? Entre em contato pelo blog, ou pelo E-mail nunoalmeida61@gmail.com

Luberon !!!!!


Com suas aldeias em colinas escarpadas, ciprestes altos e vinhedos abundantes, o Luberon na França é um lugar maravilhoso. Composto por três cordilheiras, a região tem sido um refúgio de verão para parisienses abastados, mas também encanta muitos britânicos. Vendo esta bela casa de pedra provençal em tons amanteigados cercada por campos de lavanda, é fácil ver por que seus proprietários ingleses se apaixonaram por este lugar.

Para eles, foi a vista deste vale que garantiu a compra. Em contrapartida, a casa era claramente abandonada, consistindo em um labirinto de salas subdivididas, tetos de baixa qualidade e decoração dos anos sessenta. Felizmente, o agente imobiliário havia trazido consigo o arquiteto Hugues Bosc, que conhecia a arquitetura local e podia ver bastante potencial nesta residência. Tendo trabalhado para os proprietários na reforma do barco, a designer de interiores Sophie James já estava contratada. E então, um projeto de três anos e meio se seguiu, durante o qual a pegada da casa mal mudou, mas os interiores foram refeitos lentamente para o que seria o layout original de meados do século XVIII.

A descoberta mais agradável foi no hall de entrada, o teto era com placas de gesso. Hugues, suspeitou que havia alguma coisa de errado e empurrou o dedo pelo gesso revelando uma série de arcos elegantes e abobadados. A adição de uma ampla escadaria de pedra na entrada da casa, acrescentou a este espaço proporções clássicas.

Sophie e os proprietários passaram dois anos acumulando móveis com uma regra clara em mente, cada peça que eles compraram tinha que ter três lugares potenciais dentro da casa. É um truque inteligente que impede a casa de parecer excessivamente imaculada. Há sofás soltos na sala e com capas, poltronas confortáveis ​​e cortinas leves de linho. Esta abordagem foi aplicada tanto dentro como na área externa. Tendo passado muito tempo em barcos, os proprietários têm uma grande experiência em aspectos práticos de espaço. Há sempre um lugar iluminado para se sentar enquanto o sol se move ao redor do edifício, cada quarto tem um lugar onde você pode trabalhar e é possível ter uma casa cheia sem que os hóspedes tropecem uns nos outros.

Para este casal, o coração da casa é a cozinha, que compreende duas salas adjacentes, uma é parte da cozinha em si enquanto a área maior abriga a mesa de jantar que se abre para o jardim. “Nós construímos cada armário sabendo o que iria ser guardado”, explica o proprietário.

Igualmente importante foi o jardim. “Queríamos que fosse autenticamente provençal, mas com sua própria personalidade”, diz a dona. Ela e uma grande amiga, Janie Lloyd Owen, fizeram o plantio, enquanto o designer Michel Semini planejava o paisagismo. Há um jardim e uma pequena horta, no verão os brilhantes campos de lavanda roxos e brilhantes, são precedidos por papoulas em tons de escarlate. A casa e o jardim são perfeitos até para quem tem olhos para os mínimos detalhes. A paleta de cores calmas e os móveis discretos, mostram o nível de trabalho por trás de sua composição rigorosa, este foi um projeto bem trabalhoso. Vamos ver???

Som maravilhoso de Ellie Goulding – Your Song

Dúvidas, perguntas ou questionamentos sobre decoração? Precisa de um trabalho de consultoria para sua casa? Favor entrar em contato pelo blog, ou E-mail nunoalmeida61@gmail.com