O Mundo de John Derian !!


Qualquer um pode usar uma folhagem como decoração de mesa. Mas John Derian sempre parece ter as folhas perfeitas, gigantes, robustas na forma, com um requintado defeito para trair sua delicadeza. Também é muito comum deixar um monte de flores para secar, penduradas de cabeça para baixo, mas Derian, o amado maestro do design de Nova York e duque da decoupage, parece comandar suas belezas florais para secar e morrer com pungência sublime, como divas de uma ópera. A verdade não surpreendente, é que ninguém faz John Derian como ele mesmo.

Pensem então no país das maravilhas que se desdobra na casa do próprio Derian, em East Village. Na sua união de antiguidades, têxteis vintage, e todos os tipos de curiosidades naturais ao lado tetos de zinco pressionado, tubulações expostas e outros vestígios da virada do século deste lugar. O apartamento resume a sensibilidade singular do designer. “É apenas um monte de coisas que eu amo”, diz ele modestamente, subestimando seu olho brilhante para composição e cor.

Para criar uma passagem mais elegante em seu apartamento, e para pontuar a transição do mundo exterior, Derian usou um pouco de mágica decorativa. Ele construiu um vestíbulo instantâneo, movendo um armário alto e pintado do século 19, reformado com uma abertura nas costas, diretamente em frente à porta de entrada. Um entra e sai através do que parece ser uma peça comum de mobília. “Minha coisa favorita é observar as pessoas tentando descobrir como sair do apartamento”, diz o estilista.

Dentro de casa, a principal intervenção arquitetônica de Derian foi a instalação de uma parede sueca do século XVIII perfeitamente patinada e ornamentada, pintada de azul Gustaviano pálido, com dois conjuntos de portas duplas. Dividindo o apartamento, separa as salas de estar e de jantar abertas de um lado e a cozinha e o quarto do outro. “A parede ficou guardada por 15 anos. Consegui de um revendedor na Antuérpia e tentei usá-lo em lojas diferentes e no meu último apartamento, mas nunca funcionou. Aqui se encaixou milagrosamente”, explica Derian. A cozinha, no estilo boho do East Village, se abre diretamente para uma sala de estar soberbamente aconchegante cujas paredes são forradas com louças, redomas de bolo, compotas e terrinas reais dos séculos XVIII a XXI. A mistura engloba uma variedade de decoupages, característica de Derian, bem como peças de colaborações do designer com o fabricante de cerâmica francês Astier de Vilate. Como Derian adora cozinhar e receber, a atraente coleção de serviços de mesa e utensílios de cozinha são bastante utilizados.

As noites chez Derian normalmente começam com o chef no fogão e seus convidados descansando confortavelmente na área de estar. De lá, a festa se move para o lado oposto da parede sueca, onde o jantar é servido em uma mesa de madeira pintada do século 19 sob um enfeite de natal de vidro alemão conhecido como kugel. Para a sobremesa, a cena muda para a sala de estar, onde os sofás desenhados por Derian são estofados em denim branco. Uma antiga cadeira, um grande sofá otomano com mantas diversas, e tapetes brancos vintage adicionam cor ao cenário romântico.

Enquanto a alquimia peculiar deste designer desafie uma classificação fácil, não há um guia prático infalível para o look de Derian. Ele nasceu e cresceu em Watertown, Massachusetts, o mais novo de seis filhos. “Eu era a criança esquecida, então me tornei a mais criativa. Passei o meu tempo desenhando, fazendo coisas, interpretando, construindo fortalezas e colecionando pedras e outros pedaços da natureza. Eu estava totalmente contente em ficar sozinho até os 11 anos, quando percebi que não tinha amigos ”, lembra ele, rindo.

Enquanto morava em Boston, Cambridge e na província, no final da adolescência e início dos 20 anos, Derian fez e vendeu arranjos de flores secas, estudou acabamentos pintados, mergulhou no mundo das antiguidades e atendeu mesas como garçom, em um restaurante de Boston, onde seus colegas incluíam os fotógrafos Jack Pierson, Mark Morrisroe e David Armstrong. “Essa era a minha faculdade, a faculdade da vida”, diz ele sobre o tempo que passou em meio à fermentação da cena artística de vanguarda de Boston. “Eu ainda sou um garçom no meu cérebro”, acrescenta. “Eu nunca saio de uma sala de mãos vazias.”

Derian mudou-se para Nova York em 1992, assumindo o apartamento de Pierson no Lower East Side, onde viveu pelos 20 anos seguintes. Durante esse tempo, ele construiu seu negócio em um império de mobiliário doméstico pequeno, mas notavelmente influente, onde seu próprio design mistura-se amigavelmente com antiguidades e outras criações artesanais feitas por artesãos com a mesma mentalidade. “O negócio cresceu apenas organicamente. De alguma forma eu ainda sinto que não sei exatamente o que estou fazendo ”, diz o maestro, apesar de muitas evidências em contrário.

Som de Cat Stevens – Ruby Love

 

A Casa de Jason Basmajian !!


Quando Jason Basmajian, nativo de Boston e criador de moda masculina, estava procurando um refúgio fora de Paris, ele se apaixonou pelo Le Couvent, uma casa rosa, construída no final do século XIX. Na época, ele trabalhava em Paris, como designer-chefe da marca de artigos de luxo ST Dupont. Desde então, Basmajian foi o mentor criativo por trás de marcas de moda masculina, como Brioni e Gieves & Hawkes, atualmente é diretor de criação da marca de luxo Cerruti. Embora ele agora esteja morando em Londres, o homem dinâmico em movimento ainda consegue escapar para Le Couvent nos fins de semana e feriados.

Localizado na pitoresca região de Sancerre, este retiro de fim de semana parece ter tudo. Em suas palavras, Basmajian estava procurando por “arquitetura interessante, não muito grande, algo para refazer com potencial”. Le Couvent fechou a conta, e a cor rosa antiga do exterior selou o acordo. As árvores eram lindas e ainda havia belos jardins e bosques ao redor.

Embora ele basicamente mantivesse a planta original, todo o telhado teve que ser substituído imediatamente, e todo o encanamento foi instalado junto com aquecimento no piso. “Deixei todos os rangidos do chão e quis manter a sensibilidade da casa antiga, mas com todos os confortos modernos”, diz ele. O hall de entrada principal foi ampliado e ele quebrou a parede para fazer uma cozinha maior. Janelas foram adicionadas para entrar mais luz. A parede da biblioteca foi removida e substituída por vidro, dando vista para a escadaria que leva aos quartos.

A casa original não tinha banheiros, então onde colocá-los? Basmajian foi inspirado por algo que ele viu em Amsterdã, onde todos os banheiros foram colocados nos sótãos e “isso me deu a idéia”, ele explica. “Eu coloquei o banheiro principal e a suíte no sótão acima do meu quarto e outro banheiro de hóspedes do outro lado da casa para os dois quartos. Estar lá em cima parece uma casa na árvore. Toda a residência é projetada para ser “aconchegante”, nas palavras do proprietário. “Eu gosto de viver no estilo contemporâneo, aconchegante, atemporal e luxuoso, mas não pretensioso”. A paleta de cores é toda preta e em tons da natureza, aqui tudo é sobre textura e cor.

Os interiores estão muito em diálogo com o espaço exterior. “Eu criei o terraço, plantei buxinhos e um jardim de ervas e condimentos, atrás da cozinha. Queria separar a propriedade de um caminho comum, então construí uma parede de troncos, inspirada pelo artista Andy Goldsworthy. Há também um charmoso salão ao ar livre que é muito usado durante os meses mais quentes. Esta é uma casa para todas as estações. Maravilhosa no inverno com as lareiras e ótima nos meses mais quentes com vida ao ar livre e muito para fazer em toda a área. É realmente uma casa para recarregar as baterias.

Som de James Morrison – Please Don’t Stop The Rain.

Jason Basmajian