Estilo Militar!!!!!


 

Não são só os camuflados que fazem o universo militar: uma série de detalhes podem funcionar como aliados infalíveis na missão de aderir ao estilo sem se tornar um soldado. Quer aprender como? Confira uma seleção de fotos com peças típicas do militarismo seguidas de dicas para acertar na produção e dispensar o alistamento nas forças armadas. A regra mais valiosa na hora de apostar no estilo militar é não carregar a mão nas referências. Você pode usar uma jaqueta camuflada sobre um terno, por exemplo, mas só a jaqueta. Esqueça as calças cargo, as camisas com bolsos e os tons típicos do militarismo aplicados em looks completos.

Poucos detalhes são suficientes para passar a informação necessária do visual militar. Os bolsos utilitários, os zíperes aparentes e os martingales (faixa de tecido com botões sobre os ombros ou jaquetas) são alguns destes exemplos.

Quer ficar na zona de conforto? Invista no bom e velho verde-musgo, no marrom e no cinza típicos do militarismo. Lembre-se de combinar a peça-chave com outras cores neutras para não cair na pegadinha do look total, ok?

Verde oliva, verde folhagem, bege, marrom, cáqui, cinza e marinho são algumas das cores mais comuns de se encontrar nas fardas militares e, na maioria das vezes, só a presença delas já serve para criar uma relação com esse estilo. Não tem como olhar para uma estampa camuflada sem pensar em exército! Porém é aconselhável usá-la comedidamente, preferencialmente apenas uma peça camuflada em todo o look, afinal a mesma estampa que desaparece na selva, salta aos olhos em ambiente urbano.

Muita sarja, algodão, lona, couro, gabardine (nas peças mais classudas) e nylon é o que você encontra corriqueiramente em vestes e acessórios militares. No caso da sarja, lona e do couro existe a possibilidade de que eles apareçam surrados e desbotados para causar a impressão de algo usado e desgastado pelo tempo, principalmente se a peça tiver um certo apelo vintage. Vamos ver?

Som de Justin Timberlake – Say Something

Jaquetas ou casacos militares:

São aquelas jaquetas com bolsos salientes tanto na altura do peito quanto próximos a cintura, dragonas nos ombros e, em alguns casos, martingales na cintura para ajustar a peça. Na maioria das vezes aparecem em cores como o verde musgo ou oliva, marrom, cinza médio, bege ou cáqui e podem ser também identificadas como “safari jackets”. Podem ser feitas de sarja, nylon de paraquedas ou couro.

Trench coats:

Os de melhor qualidade são de gabardine, um tecido impermeável e que protege do frio, já que desde sua invenção a intenção era que os soldados ficassem aquecidos e secos nas trincheiras – daí veio o nome casaco de trincheira. É fácil de ser identificado, pois sempre apresenta abotoamento duplo, reforço no peito (na área onde se apoia o cabo do rifle), dragonas nos ombros, cinto no mesmo tecido do casaco, fivelas nas mangas e lapela larga que pode ser levantada para proteger do frio, além de uma fenda traseira, pensada para se caso algum oficial tivesse que montar um cavalo a peça não ficasse amarrotada na sela. Hoje é considerado um casaco tão elegante que é usado por cima de ternos, mas continua sendo a proteção perfeita para a chuva e frio. Versões mais modernas incluem tecidos como sarja, nylon impermeável e até couro, já as cores ficam entre o popular bege e o marrom, passando pelo verde musgo, camelo e castor.

Calças cargo:

Foram usadas pela primeira vez em 1938 pelas forças armadas britânicas. Os bolsos na altura da metade das coxas ajudam a levar todo tipo de equipamento militar (mapas, bandagens, bússolas) e algumas tem alças para pendurar pequenas facas ou outros objetos miúdos, mas isso só é usado por quem vai sair em algum tipo de missão ou aventura, o homem urbano escolhe os modelos com bolsos flat, que não acrescentam volume a silhueta e não usam os compartimentos sobressalentes para não perder a elegância, enchendo a roupa com coisas que deveriam estar devidamente acomodadas em uma bolsa. As cores mais comuns para a cargo militar são verde musgo e marrom terra, mas as camufladas também disputam a preferência dos homens; os tecidos populares são sarja, algodão e nylon de paraquedas.

Camisas militares:

Teoricamente qualquer camisa com uma cor terrosa ou estampa camuflada seria o suficiente para identificá-la como tendo estilo militar, mas ainda existem modelos que pegam emprestado elementos como os bolsos “cargo” com abas fechadas por botões e dragonas, sem contar insígnias, patches com identificação de tropa e estampas com distintivos de pelotão. Deve-se tomar cuidado na hora de combinar essas peças com calças cargo ou jaquetas tipo “safari”, elas podem deixar o visual exagerado.

Coturnos:

Não há um calçado que faça maior referência ao militarismo que o coturno, seu jeitão parrudo e agressivo não deixa dúvidas sobre suas raízes.

Jaqueta bomber:

Quando falamos em militarismo não estamos só nos referindo ao exército: marinha e aeronáutica também entram na conta. As jaquetas bomber foram criadas para uso dos pilotos da força aérea durante a Primeira Guerra Mundial, quando os cockpits dos aviões eram abertos e era necessária uma jaqueta que mantivesse os oficiais aquecidos. A bomber pode ser feita de couro, gabardine, nylon, algodão ou até uma mistura de fibras, nos modelos mais leves, tem como característica marcante a gola larga e elástica, algumas vezes forrada com pele, fechamento por zíper, bolsos grandes próximos a cintura para aquecer as mãos e punhos elásticos, evitando que o vento gelado entre.

Relógios com pulseira de lona:

Existem muitos tipos de relógios usados pelos militares, mas o que mais remete a esse estilo é o cuja pulseira é feita de lona ou nylon, seja ela verde, cinza escuro, preto, marrom ou azul marinho, basta olhar para uma peça desse tipo para imaginá-la no pulso de um soldado. É comum ver algumas pessoas se referirem a ela (a pulseira) como “nato strap” devido a crença de que os primeiros a usá-la foram os soldados da OTAN (North Atlantic Treaty Organization, em inglês), entretanto outras fontes dão conta que os militares britânicos foram os primeiros a adotar a pulseira em 1973.

Parka (ou parca):

Foi criada com base no anorake, um casaco usado pelos esquimós, sendo adotada pelo exército por ser uma roupa adequada para enfrentar condições climáticas adversas, principalmente baixas temperaturas. Pode ser de nylon, poliéster, gabardine ou sarja; na maioria das vezes apresenta capuz forrado com pele; uma gola que pode ser levantada para proteger o pescoço e parte do rosto; podendo ser fechada por botões, zíper ou ambos. É importante frisar que alguns modelos são mais esportivos, mas existem opções totalmente militarizadas tanto nas cores, quanto nos detalhes.

Peacoat:

O peacoat está para a marinha assim como a bomber jacket está para a aeronáutica! O casaco de lã grossa preta ou marinho surgiu no século 18 e logo foi adotado pelos marinheiros que navegavam as águas gélidas do hemisfério norte, tendo hoje, de certa forma, sua ligação com o visual militar, surgindo em variações de cores como o verde musgo, oliva e cáqui, esta última nos modelos em sarja possivelmente acompanhada de insígnias, dragonas e distintivos.

Vejam abaixo algumas combinações que remetem ao estilo militar!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s