Em Sussex – Inglaterra


Quando a designer de interiores Harriet Anstruther se mudou para sua casa de campo em Sussex – Inglaterra ela imediatamente colocou sua marca eclética nela, mantendo suas características originais. 

Harriet está sentada no braço de uma cadeira de vime em seu jardim. Conspiratória, articulada, e com uma risada rouca que a torna instantaneamente simpática, a designer tenta nos explicar a sua versão particular de luxo antes de pormos os pés dentro da sua propriedade em Sussex. “Aqui quem manda é o meu coração”, diz ela apontando para a parte traseira de sua casa, com muita madeira, um mirante no telhado e suas janelas minusculas. “Não há nada de design por aqui. A casa é repleta de velharias, mas o grande luxo é escapar de Londres para um lugar que não tem de servir de exemplo ou cartão de visitas para ninguém”. Vamos entrar?

Som de Boyzone – Father And Son ❤ ❤

Durante a semana, Harriet trabalha em um escritótio de design muito bem sucedido, em estreita colaboração com os clientes para criar interiores lúdicos, ousados e glamourosos, desde casas na pequena cidade de Mayfair, a verdadeiras mansões pelo país. Ela estudou artes plásticas, por isso mesmo o seu conhecimento e gosto pelo mundo das artes fornece-lhe uma inspiração sem limites. Mas são os estudos recentes de Harriet em arquitetura de interiores na Escola Inchbald of Design que sustentam seu design com uma compreensão de como um edifício deve funcionar e como ele teria funcionado no passado. “Eu sou sempre curiosa sobre a história do edifício,  não apenas seu passado arquitetônico, mas também quem viveu lá, e como foi a sua história “. “Eu sempre penso sobre o que eu sinto quando entro pela primeira vez em um espaço, e como ele ficaria, completamente vazio, apenas com a luz natural. Esse é o meu ponto de partida.”

Em Sussex, o ponto de partida para Harriet era uma casa tão fortemente ancorada em seu passado rural que ela teve de trabalhar em sintonia com ela, sem pressa, refez toda a parte elétrica e de canalização, instalação de aquecimento central, influenciando ao mínimo o layout e estrutura original.

 

Pisos originais de tijolo e pedra da sala de jantar e vigas bem baixas de madeira serrada á mão definem o tom para a exibição de objetos encontrados, incluindo uma coruja empalhada, penas e um tapete de vaca comprado na beira da estrada no sul da França. A mesa foi feita por um fabricante de móveis com sede em Norfolk.

 

Harriet retirou o antigo piso existente de lajota para expor o revestimento de pedra York na cozinha e em outros ambientes.

 

“Você realmente tem que sentir uma casa como esta”, ela diz, sentir o piso de pedra desgastado pelos séculos de pés batendo. “Não há linhas retas aqui, e não há nada que não tenha um buraco, um quebrado ou uma lasca.  Mas se você se preocupa com simetria e aranhas, este não é o lugar para você morar”.

Foi erguida uma meia parede com a finalidade de criar um comodo acolhedor ao redor da lareira.

 

Esta casa foi comprada há 18 anos para Harriet, pelo seu pai no dia em que ela nasceu e desde então alugada a um agricultor. Ela decidiu pela remoção das lajotas do piso com décadas de sujeira revelando detalhes históricos que a encheram de alegria.

Chifres de veado, encontrados em matas vizinhas, são exibidos como tesouros sobre um armário na sala de estar.

 

As peles de animais, foram compradas no caminho de volta da praia no sul da França, na estrada de Portobello, adicionando calor para as áreas de estar no piso térreo, incluindo a cozinha, sala de jantar e sala de estar mais formal. No andar de cima, o xale de sua avó traz aconchego para a cama, no quarto de hóspedes.

 

Paredes despojadas e limpas, caiadas de branco para a grande coleção de móveis herdados e adquiridos em mercados .

 

Cortinas de linho separam a área de vestir do quarto principal.

 

Harriet descreve seu trabalho como um processo de curadoria e edição, sugerindo para seus clientes, que estes mesmos processos são sucesso no trabalho, e aqui em sua própria casa.

 

Quadros e fotos emolduradas dão a este banheiro vida e conforto.

 

Há os típicos pisos de lajota e pedra originais no piso térreo. As majestosas vigas de carvalho possuem as marcas dos fabricantes e uma lavagem de cal original, e há recantos escondidos em cada lareira, muito tempo atrás preenchidos com talismãs pagãos para afastar os maus espíritos. “Há tantas histórias aqui”, diz ela, correndo as mãos sobre uma parede de pau-a-pique agradavelmente irregular.

 

Os livros da avó de Harriet, alinhados no corredor que leva ao quarto de hóspedes.

 

No andar de cima, o xaile da avó de Harriet faz da cama do quarto de hóspedes um lugar especialmente acolhedor.

 

Muito poucas intervenções, quase impossíveis de detectar neste quarto, expondo o passado desta casa.

A estrutura externa é tão forte e poderosa, que fica impossível modificá-la. Como uma segunda casa, esta não está preparada para as demandas diárias e práticas de uma família. Há pouco ou nenhum lugar para armazenamento aqui, apenas encanto, e é aí que o verdadeiro luxo reside !!!!!!

 

Dúvidas, perguntas ou questionamentos sobre decoração? Precisa de um trabalho de consultoria para sua casa? Favor entrar em contato pelo blog, ou E-mail nunoalmeida61@gmail.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s