Em Salamanca


Cinco varandas de frente para a rua, três lareiras de época, tetos altos com molduras ornamentadas, uma luz maravilhosa, impossível escapar ao feitiço desta casa localizada no coração de Madrid, no elegante bairro de Salamanca. O edifício, data do final do século XIX, é tombado, e preserva elementos primitivos, e outros que estavam em falta foram reproduzidos com precisão. Desde a sua construção, a casa mal tinha sido tocada, por isso foi necessário uma renovação completa tanto das estruturas como da distribuição dos espaços. Este trabalho exigente e minucioso foi confiado ao escritório da interiorista Mayte Baquedano, que já havia reformado anteriormente o primeiro apartamento dos proprietários.

Em colaboração com o arquiteto Antonio Marquerie Tamayo, o primeiro passo foi  “racionalizar o espaço e dar-lhe um estilo moderno e confortável, com uma grande área aberta, fazendo a comunicação entre hall de entrada, sala de estar, biblioteca e cozinha para obter mais espaço e luminosidade”, explica o designer de interiores. Estas salas abertas estão ligadas por um piso de mármore em preto e branco,que por sua vez, serve como uma excelente base para as obras de arte, muito presentes na casa. O casal, ambos amantes da pintura, escultura e fotografia contemporânea, também queria encontrar o melhor lugar para sua coleção, um punhado de obras interessantes que vem melhorando e crescendo com o passar do tempo. Cores atemporais, peças únicas de mobiliário, têxteis ricos e acabamentos contrastantes dão o tom a esta residência.

Dúvidas, perguntas ou questionamentos sobre decoração? Precisa de um trabalho de consultoria para sua casa? Favor entrar em contato pelo blog, ou E-mail nunoalmeida61@gmail.com

Jaime Lacasa!!!!!!


Quando o piloto Jaime Lacasa encontrou há alguns meses este apartamento, em Madrid, ele soube imediatamente  que, assim que acabassem as obras e a decoração, ele iria em busca de um novo projeto para transformar e decorar.  Jaime vive em uma constante busca por casas. Sua carreira universitária como historiador, faz com que o seu olhar seja marcado pela arte e arquitetura, sempre em conjunto com os seus vôos transoceânicos, e sua paixão por coisas belas.

Em 2002 ele abriu a loja de moda masculina, Scooter, colaborando com figurinos para cinema e publicidade, e há alguns anos ele montou a empresa de arquitetura e design, chamada Scooter Design , onde assinam projetos de casas, lojas e restaurantes. “A perspectiva de levantar todas as manhãs em um continente diferente faz com que minha vida seja diferente todos os dias: pessoas de todos os países, outras culturas, outras paisagens e arquitetura, costumes e diversos tipos de culinária. Mundos muito diferentes, que enriquecem a minha percepção estética “, diz Jaime. Em um de seus passeios culturais, por Madrid deparou-se com um imponente edifício no bairro de Justiça. “Além de se encantar com a região, a casa tinha todos os meus requisitos: um edifício de 1900, tetos altos, 240 m2 e uma boa chance de reforma”.

Com o arquiteto Emilio Sánchez, como braço direito, o trabalho começou. O seu objetivo era contribuir decisivamente para a distribuição dos quartos e equilibrar a área social e o restante. A cozinha é o elo que os une. O resultado é um espaço central grande que consiste em um hall, uma sala de estar aberta com uma biblioteca, uma cozinha e um banheiro, todos interligados, sem portas ou corredores. A outra, mais intimista, tem um quarto principal, um para convidados, banheiros, e arrecadação.

Os materiais utilizados foram os favoritos de Jaime, madeira e ferro. Ele também dedicou atenção especial à pintura,  verde água para toda a casa, e preto para a cozinha, de acordo com os tons dos móveis, e fez um estudo cuidadoso da iluminação para destacar os volumes. A decoração segue um carácter minimalista utilitário, e masculino: mobiliário de designer com peças vintage, ladeadas por imagens contemporâneas e objetos garimpados em viagens. “Embora todos nós tenhamos uma peça favorita, eu sou a favor da mudança. Cada lugar pede algo, e temos de aprender a compreender “, explica. Sua necessidade de rastrear, localizar e mover o levou a colocar o apartamento à venda. ” Para mim, o que importa é encontrar uma outra casa e dar-lhe uma nova vida ” conclui.

Som de Melanie Safka – Wild Horses

Dúvidas, perguntas ou questionamentos sobre decoração? Precisa de um trabalho de consultoria para sua casa? Favor entrar em contato pelo blog, ou E-mail nunoalmeida61@gmail.com

Marbella Club Hotel


Parece um conto de fadas, mas farei aqui neste post uma breve e autêntica descrição dos primórdios do Marbella Club, como tudo começou.

Um encantador pequeno pinhal, nas margens de um grande olival, dando sombra para deliciosas vinhas, 3 milhas a oeste da histórica cidade fortificada de Marbella, encantou o  jovem príncipe Alfonso Hohenlohe em 1944. O microclima único, a bela luz, o delicioso aroma do ar, o mar azul escuro cheio de peixes, praias virgens e, por último a bela hospitalidade do povo local fascinou o príncipe a tal ponto que ele decidiu alterar seus planos de viagem para iniciar as negociações de compra da fazenda Santa Margarita, a propriedade em que ele e seu pai tinha entrado apenas para um mergulho e piquenique. Nesta bela fazenda está localizado atualmente o Marbella Club. Ele imediatamente quis salvar este “Jardim do Éden” para a posteridade, e anunciou a sua descoberta para todos. Depois de construir sua própria casa no encantador pinhal, ele transformou a fazenda abandonada em um ponto de encontro para os novos colonos e chamou-a de Marbella Club.

Com seu estilo de “simplicidade elegante” ele logo acrescentou vinte quartos simples, mas charmosos para acomodar não só os turistas desesperados por um alojamento durante a noite, mas também todos aqueles amigos que ele tinha convencido a visitar Marbella, com seus relatos entusiásticos do seu “Paraíso na Terra”.

Mas, obviamente, o maior embaixador era o príncipe Alfonso, que, com enorme entusiasmo durante suas viagens contínuas por todo o mundo, espalhou a notícia. Portanto, não é surpreendente que rapidamente, os membros de  ilustres famílias da aristocracia europeia como os Fürstenbergs, Bismarcks, Metternichs e arquiduques da Áustria, realeza escandinava e reis exilados, assim como estrelas de Hollywood famosas como James Stewart, Merle Oberon, Ava Gardner, Kim Novak e a bela Audrey Hepburn com o marido Mel Ferrer; banqueiros como os Rothschilds e Oppenheims;industriais como Henry Ford, a Krupp e a família Agnelli, Onassis e Stavros Niarchos, tenham se apaixonado por Marbella. O povo local, mal podia acreditar quando reconheceram em suas ruas estreitas essas celebridades que até então só conheciam de filmes ou revistas populares.

Não foi uma tarefa fácil, satisfazer as expectativas de todos os clientes importantes, acostumados a ​​viajar de um palácio para outro, afinal era um hotel extremamente simples, mas encantador. No entanto, com experiência profissional, diplomacia e estilo aristocrático, foram capazes de transformar essa pequena “Country Inn” em um dos melhores hotéis da Europa, fazendo parte da The Leading Hotels of the World e membro da Relais et Châteaux.

Mais tarde, de 1977 a 1991, o Marbella mergulhou no pior momento de sua história. Além desta situação catastrófica, o sócio árabe  do príncipe Alfonso morreu e deixou suas ações nas mãos de seus herdeiros, que não tinham nenhum interesse no hotel, querendo vende-lo pelo melhor preço possível, e da maneira mais rápida. Tudo parecia perdido, mas novamente uma boa estrela apareceu no horizonte, na pessoa de David Shamoon, dono de uma das mais bonitas casas à beira-mar. Ele convenceu alguns amigos a comprarem ações do clube, e investiu muito dinheiro no hotel para trazê-lo de volta à sua antiga glória, melhorou e modernizou todas as instalações, sem perder o seu charme típico e serviço personalizado. Ele convenceu o príncipe a retornar ao clube para ajudá-lo a alcançar este objetivo e em parte, recuperar a famosa clientela. O hotel, rapidamente retomou a sua antiga glória e se mantém até hoje como um dos mais bem frequentados de toda a Espanha.

Dúvidas, perguntas ou questionamentos sobre decoração? Precisa de um trabalho de consultoria para sua casa? Favor entrar em contato pelo blog, ou E-mail nunoalmeida61@gmail.com

Apartamento Clássico Francês !!!!!


Os proprietários deste apartamento em Lyon, França, criaram um espaço que é completamente o oposto da antiga residência onde moravam, escura e sombria. Pierre Emmanuel Martin e Stéphane Garotin, ambos designers de interiores viviam em um apartamento quase que completamente preto. ” Era muito aconchegante no Inverno, e muito acolhedor á noite, mas no Verão era difícil de viver nele “. Então, quando o casal decidiu- se mudar, eles tinham como única intenção um local leve, claro e arejado. Vamos ver?

Som de Carole King – It’s To Late

Este apartamento de 140 metros quadrados, é exatamente o que eles queriam. Localizado no terceiro andar de um edifício datado de  1852, as principais salas são viradas para o Sul, posição ideal para a entrada do sol, se você estiver no Hemisfério Norte.

O restante dos espaços giram em torno de um pátio interno. ” Você pode andar por todo o apartamento como se fosse um grande círculo, o que faz com que ele pareça muito maior do que realmente é “. ” Do quarto podemos ver a cozinha, e do banheiro podemos ver a sala de estar. É como se nós fossemos nossos próprios vizinhos “, explica Martin.

O apartamento fica no bairro Ainay, no centro da cidade. Antigamente esta região era lar de famílias aristocráticas envolvidas no comércio da seda, e atualmente, a área tornou-se cada vez mais valorizada, possui um grande número de lojas de design de interiores, incluindo a própria loja de Martin e Garotin, em uma antiga garagem a apenas três minutos a pé da sua casa.

Usando todo o conhecimento de arquitetura e decoração, o casal foi obrigado a transformar todo o apartamento, que tinha sido habitado pelos mesmos proprietários durante quase meio século. “Ele estava em um estado terrível”, diz Martin.

Os antigos quartos ainda ostentavam papéis de parede da década de 80, representando pistas de carros, e a cozinha totalmente básica, era separada do banheiro por apenas uma cortina de plástico. Ainda assim, tanto ele como Garotin viram que o espaço tinha excelentes características. “Há belas molduras, um piso maravilhoso em parquet antigo e detalhes magníficos nos painéis de parede”, explica ele. “Estávamos completamente seduzidos.”

Para contrastar com a opulência do apartamento do século 19, os designers mantiveram a sua decoração simples. “Como ele é bastante trabalhado em detalhes, não havia motivo para adicionar muito”. As paredes foram todas pintadas da mesma cor, um bege pálido criado com a ajuda de um amigo, proprietário de uma companhia de pintura orgânica em Lyon.

O restante da paleta é dominada por pretos e pardos. “As cores brilhantes não são realmente a nossa praia,” professa Martin. “Nós gostamos delas, mas em outros lugares,  no sul da França, na Índia ou quando estamos de férias, mas para a vida diária nós preferimos algo mais sereno.”

Os sofás são fora das medidas padrão, e possuem muitas almofadas, para um maior conforto e também para adicionar um toque sutil de cor. Uma colagem de Julio Villani e uma litografia de Jean-Philippe Aubanel enfeitam a parede.

Os únicos outros motivos evidentes são os desenhos geométricos dos tapetes marroquinos artesanais. “Para nós, eles são lindos, atemporais e confortáveis.”

Muitos dos objetos foram originados de viagens do casal ao exterior. “Cada vez que viajamos ao redor do mundo, nós tentamos trazer para casa um pedaço de onde nós estivemos”, diz Martin. Estes incluem cestaria do Japão e Camboja, uma seta de madeira adquirida na ilha indonésia de Sulawesi, uma caixa de ofertório de Myanmar e um par de esculturas em cerâmica de um mercado de pulgas de Atenas.

Na sala de estar, duas obras de arte em preto e branco de um mestre calígrafo chinês, comprei este ano no distrito de arte M50 de Xangai. “É realmente um lugar incrível, com dezenas de galerias e estúdios de artistas”, diz Martin.

Antigo piso em parquet adiciona um padrão e textura em todo o apartamento. A cabeça bordada no banco é do artista Yveline Tropea, e as obras de arte são Mathias Schmied, comprados na Galerie Houg em Lyon.

A luminária de papel vista através da porta no hall de entrada é  trabalho de Isamu Noguchi ‘Akari E’.

Uma das atrações do apartamento para os designer de interiores Pierre Emmanuel Martin e Stéphane Garotin foi seu requintado detalhamento arquitetônico, como visto na sala de estar e sala de jantar.

Os proprietários montaram a cozinha com várias prateleiras,  e um banco de mármore como ilha. Exibidas nas prateleiras, várias cestas e vasos coletados durante viagens por toda a Ásia. O ‘Lektor’ lâmpada de mesa é de Rubn, uma empresa de iluminação sueca.

Castiçais de bronze marroquinos adicionam glamour a uma borda da janela simples, em um dos corredores. A foto, de Rip Hopkins, foi adquirida na Galerie Le Reverbere em Lyon.

O espaço do guarda-roupa com muita luz natural.

Duas esculturas de cerâmica encontradas em um mercado de pulgas de Atenas são justapostas na sala de estar, em cima da  lareira com uma escultura pássaro de Ghyslain Bertholon. A luminária de piso Flos ‘Luminator “é um dos  desenhos clássicos de Pier Giacomo Castiglioni.

Janelas por todas as paredes deste apartamento, inundando cada quarto com luz natural.

Dúvidas, perguntas ou questionamentos sobre decoração? Precisa de um trabalho de consultoria para sua casa? Favor entrar em contato pelo blog, ou E-mail nunoalmeida61@gmail.com