Em New Orleans !!


Sara Ruffin Costello é uma designer de interiores, editora da Vogue, fundadora e diretora criativa da revista Domino, colaboradora da revista T e Travel + Leisure  (entre outras), tem um grande talento. Ela é inteligente, glamorosa, e tem um olho incrível para a moda e estilo de casa. O gosto de Sara para diversão nunca esteve em dúvida, mas esta sua capacidade  recebeu um grande impulso três anos atrás, quando ela, seu marido e seus três filhos mudaram-se  dos limites relativamente apertados de um apartamento em Manhattan para uma grande casa de 1868, em Nova Garden District –  New Orleans. Lá, em uma casa de estilo gótico italiano, anteriormente propriedade de um magnata ferroviário, ela finalmente tem tempo e espaço para as suas festas (muitas) e para criar espaços chiques que refletem o seu espírito brincalhão e amor pelo design. “É formal, e informal”, diz Sara. “É cidade e é campo. Tem um ar de formalidade com o corredor central e salas enormes em cada lado da grande escadaria, mas não é tão formal que  não possa ter uma mesa de ping pong na sala de jantar. ”

Embora Sarah tivesse ido para a faculdade em Nova Orleans, ela não tinha planejado se mudar para lá. Mas, durante uma visita a alguns anos atrás, passeando e olhando velhas casas em um carro cheio de amigos, o motorista, “um agente imobiliário bem esperto”, como diz Sara, “muito astutamente passou por esta casa e disse, ” Esta está para vender,”plantando a semente da fantasia.” Nós entramos no avião para voltar para Nova York e não conseguia tirar esta casa da minha cabeça.”

Era o momento certo. A revista Domino tinha acabado de fechar, e Sara estava trabalhando como freelance, o marido Paul, um fotógrafo, podia trabalhar em qualquer lugar. Eles compraram a casa. O impulso inicial de Sara era fazer grandes mudanças estruturais, mas o arquiteto Michael Carbine interveio. “Eu pensei, em abrir a cozinha para o jardim e colocar uma porta de garagem grande lá”, e ele me falou  uma coisa muito sábia. Ele realmente entende  de detalhes históricos, e isso é muito importante por aqui. Ele disse: “Você tem coisas modernas, vamos deixar a casa com este jeito antigo “, então temos mantido exatamente o combinado.”

Som, The Cranberries – Ode To My Family

 

A filha de Sara, corre pelo corredor da casa, sobre um tapete de sisal pintado á mão.

 

Um equilíbrio de linhas curvas e retas e uma paleta restrita unifica um mix de peças modernas, a mesa tripla lateral de madeira,foi herança dos pais de Sara. As poltronas foram forradas de tecidos diferentes, e o resultado ficou ótimo

 

O suporte para esculturas apoiando o busto “foi a primeira coisa de valor que comprei na minha vida.”  É pouco prático, e mesmo assim tem sido um dos objetos mais surpreendentes que eu já tive “.

 

Como Sara diz, preencher uma casa antiga com objetos novos, não é nenhuma novidade, e nem a combinação de peças tradicionais e modernos. “Todo mundo faz isso”, diz ela. Mas a sua casa tem algo extra: um senso de drama, que ela realiza deliberadamente, quase provocativa, emparelhando cores e formas de alto contraste em cada quarto. “Tudo se resume à tensão, o que eu acho emocionante. O tema claro e escuro, antigo e novo, curvas e retas, aparece em toda a casa.”

Na sala de estar dominada pelo branco, preto, e móveis de madeira, trazidos da casa de seus pais na Virginia, divide espaço com uma mesa branca contemporânea. Estes contrastes também adicionam charme e aconchego a esta residência.

Empilhados ao longo da parede atrás do sofá, livros estão ao alcance e dão uma forte declaração pessoal. “Eu amo quando você está na casa de alguém e  acaba cutucando suas estantes e vendo as coisas que estão lendo.”

 

Sara experimentou inúmeros tapetes sobre o tapete de sisal, antes de se decidir pelas peles de pônei, que oferecem uma forma interessante. O gato da família, senta-se sobre uma cadeira Robsjohn-Gibbings  vintage.

 

Um lindo huntboard americano oferece mais espaço de armazenamento para cartões e fichas de pôquer. Um tradicionalista poderia ter preenchido o espaço abaixo dela com um baú. Sara escolheu livros.

 

O enorme espelho ornamentado que veio com a casa foi mantido, e decorado com artwork . Gravuras e uma antiga pintura estão dispostas do piso ao teto para ajudar a preencher as paredes incrivelmente altas.

 

Uma mistura de velho e novo pode ser um desafio.O segredo, diz Sara, é ” Construir uma ponte para a harmonia através da paleta e formas” Na sala de estar, podemos ver ambos os aspectos no trabalho. As peças díspares estão unidas por uma paleta limitada de branco, preto, e madeira. Em termos de formas, Sara dá muita atenção para  como uma peça vai conversar com os seus “vizinhos”.

 

A biblioteca é aconchegante pelas camadas de tapetes gastos e estofados de veludo, e memorável pela adição de uma luminária, comprada em uma loja de objetos usados.

 

A sala de jantar original é agora uma sala de ping pong. Em dias de festa a mesa é retirada e dá espaço para pequenas mesas retráteis em jantares, ou o lugar fica livre para a dança.

 

Ilustrando sua maneira de decoração casual com peças tradicionais, Sara armazena as raquetes de ping pong em um balde de gelo ao lado de um castiçal de prata antigo.

 

Para a sala de jantar Sara “deu um toque de New Orleans” com um par de cadeiras francesas antigas, que ela propositadamente deixou de forrar. O tecido da cortina é de Oscar de la Renta.

 

Casa de Sara não é só especial, mas também foi bem decorada para atender às suas necessidades e a seus hóspedes. “Eu tenho filhos, e gosto muito de receber, são os dois itens que definem muitas das soluções de design em torno da casa. Eu queria misturar ao invés de separar essas duas idéias. “Isso significa que cada espaço na casa funciona como um local de ponto de encontro para a família e para os hóspedes.  “Eu não fico constrangida se alguém entra em qualquer um dos quartos, e se alguma coisa fica um pouco estragada, acaba imprimindo um caráter mais interessante a esta casa.”

Esta atitude flexível é bem vinda por todos. Em vez de serem banidos para uma sala de recreação, os três filhos podem ouvir música no sofá de couro branco da sala de estar, ou jogar ping pong na sala de jantar ao lado de um sofá de chita e antigas cadeiras laterais francesas. Quando Harrison ( o mais velho ) vai para o colégio interno, seu quarto acomoda facilmente  hóspedes durante a noite.

A ilha de cozinha  oferece muito espaço de trabalho e de armazenamento.

 

Uma parede de fotos da família (ainda em andamento) fica sobre a mesa da cozinha,  peça da designer Ann Demeulemeester, onde a família faz todas as suas refeições.

 

Sara adora bandejas, e acha que tudo fica melhor nelas.

 

Usar treliças dentro de casa é uma tradição do sul. Sara substituiu a treliça envelhecida da casa por uma nova, com um arco mourisco criado pelo designer Furlow Gatewood e pintou de um cinza-esverdeado moderno.

 

Duas mesas console, são enfeitadas por buquês de magnólias e ramos de limões, podados de árvores no quintal.

 

Maximalista e ao mesmo tempo minimalista nas formas, as cortinas de linho bege do dossel são rentes ao teto. Como os tetos são muito altos, as proporções precisam ser estudadas.

 

Na área de estar do quarto, cadeira Eames branca e lâmpada de Noguchi. Uma mesa Fornasetti adiciona um pouco de cor ao ambiente.

 

Sara transformou este antigo quarto em um grande banheiro, pintou de um branco cremoso e cobriu as paredes com retratos de família e arte. “As cozinhas e banheiros são ótimos lugares para mostrar coisas que são mais pessoais.”

 

Além de escrever, Sara tem decorado algumas casas para clientes em Los Angeles e Nova Iorque. Seu objetivo, para ambas as casas de seus clientes e seu próprio, é “construir quartos com alma.” Sara reconhece que este é um objetivo aparentemente sem uma definição concreta, mas também muito simples. A casa deve ter um espírito. “É fantástico, quando você vê uma sala, e consegue entender como alguém vive, os livros que lê, e fica morrendo de vontade de conhecer a pessoa que mora ali.”

Em um nível prático, isso significa usar peças que têm um valor sentimental pessoal ou trazer o seu próprio senso de história para a decoração. “Eu amo coisas que parecem um pouco usadas, nada muito novo ou brilhante, por favor. Eu gosto de coisas que nos contem segredos se pudessem falar. Eu gosto de sentir a modernidade, mas eu não quero que pareça que foi instalada de repente”. Sua casa está cheia de móveis herdados de seus pais e recolhidos ao longo dos anos, pouco a pouco, cada peça um lembrete de um momento específico (por exemplo, o busto onde ela coloca um chapéu, na sala de estar foi uma das primeiras coisas que ela e Paul compraram juntos.

Em uma antecâmara para a sala, uma mesa de Thomas O’Brien mostra um suporte de facas  vintage (agora usado para armazenar cartas) e, adicionando um pouco de leveza, um busto  decorado com um chapéu e pérolas. “Eu adoro bustos. Quando você está sozinho, é como ter alguns amigos na casa. “

 

O quarto de criança é acolhedor, reconfortante, e projetado para durar anos. “O que acontece em quartos temáticos de bebe é que de repente eles crescem e querem tudo novo. Aqui, se você tirar o urso de pelucia e os aviões, temos um outro quarto de hóspedes. “

 

Enquanto o filho mais velho, Harrison estava fora no internato, Sara transformou o seu dormitório em quarto de hóspedes.  O tecido usado no dossel já tinha sido usado como cortinas de cozinha em Nova York. A peseira colorida foi encontrada em um brechó.

 

Assim como a sala de treliça no andar inferior é visível a partir da porta da frente, o quarto de costura de Kiki ( filha do meio ) é visível a partir do topo da escada. Sara transformou este pequeno espaço forrando as paredes com tecido Muriel Brandolini .

 

Sara pintou o sofá e cadeiras da varanda em um tom cinza carvão, um contraste sutil com cinza azulado do piso. Persianas roll-down de bambu são uma defesa necessária contra o sol intenso de New Orleans.

 

Como o casal gosta muito de receber, Sara aprendeu rapidamente algumas estratégias divertidas e valiosas. Em primeiro lugar, para reduzir o estresse que antecede a festa, ela separa tudo (copos, pratos, velas talheres, etc.) em um só lugar. Esse lugar é a despensa, que também tem espaço para um bar. Em segundo lugar, a decoração com flores. “Eu decidi que flores são muito caras, então eu uso material do jardim, folhas de bananeira ou galhos ou flores da estação.” Sara fica emocionada por estar em um lugar onde há menos correria e mais tempo e espaço para o que importa. “Estou feliz por ter encontrado uma casa que é realmente habitável e propícia para receber amigos hóspedes ao longo do ano, coisa que foi sempre difícil em Nova York. “Eu posso realmente viver nesta casa e fazer as coisas que eu sempre quis fazer e nunca tive tempo para fazer. ”

 

O jovem Ruffin ( mais novo ), se prepara para um mergulho na piscina de água salgada do quintal. As espreguiçadeiras da piscina e guarda-chuva foram feitos sob medida, e as cadeiras de metal são vintage.

 

Dúvidas, perguntas ou questionamentos sobre decoração? Precisa de um trabalho de consultoria para sua casa? Favor entrar em contato pelo blog, ou E-mail nunoalmeida61@gmail.com

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s